Estrelado por Natalie Portman, Aniquilação é uma ficção cientifica que fala sobre o medo e a admiração pelo inconcebível.


Em 2014 fui surpreendido com um filme interessante, um thriller psicológico cheio de suspense intitulado ‘Ex machina’. Alex Garland, diretor do filme, logo atraiu minha atenção por fazer uma trama tão simples falar tanto. Me conquistou de um jeito que quando vi seu novo filme sendo lançado, nem trailers eu assisti. Apenas aguardei. E nessa semana entrou no catálogo da Netflix sua mais recente produção: ‘Aniquilação’.

Amo filmes que me fazem pensar fora da caixinha. Aqueles que são desafiadores e instigantes de um modo que me deixe pensando e refletindo sobre eles dias após assisti-los. Um caso recente foi o ótimo ‘Animais Noturnos’, de 2016, um suspense ótimo sobre amor e vingança. ‘Aniquilação’ é um filme que tem esse aspecto, ele nos deixa confusos e pensativos ao mesmo tempo que nos faz refletir sobre a coisa mais simples e linda que temos conhecimento: A vida.

Lena (Natalie Portman), uma bióloga e ex-militar, se junta à uma expedição com mais quatro mulheres para a área X, um lugar onde as leis da física não se aplicam e coisas bem estranhas estão acontecendo. Além disso, ela também tenta entender o que aquele lugar faz com as pessoas que o visitam. Buscando ao mesmo tempo respostas para o desaparecimento de seu marido.


Dizendo muito ao mesmo tempo que mostra pouco.


‘Aniquilação’ não é só um filme de ficção que tenta deixar o telespectador confuso por uma trama complexa. Ao nos aprofundarmos na história das protagonistas, percebemos que a produção quer dizer muito mais do que é mostrado. Nada é dito ou mostrado sem ter um propósito, até a trilha e efeitos especiais colaboram para a atmosfera estranha e psicodélica do filme.

Alex mantém uma direção tranquila e direta, sem tentar truques ou planos muito elaborados, e em filmes como este, menos acaba sendo mais. E se ele economiza na complexidade dos movimentos de câmera, acabou não poupando na beleza estonteante e psicodélica da obra. Há momentos de tirar o fôlego e planos realmente maravilhosos, tanto que depois que assisti acabei percebendo o porquê do diretor não ter gostado da venda do filme para a Netflix. Há momentos que clamam para serem vistos na telona.

O longa é complexo e estranho, e por isso acaba não sendo palpável para um público muito abrangente. Ele tem um ritmo lento e toma atitudes corajosas não tão comuns nos filmes mais mainstream, além de ter um apelo por atenção e reflexão diferente da maioria das produções da Netflix, por exemplo.

O elenco de peso ajuda a nos colocar pra dentro da história e faz a trama fluir de maneira mais tensa e sufocante a cada minuto. O filme é dividido por partes, e a cada parte é possível perceber o medo e admiração da protagonista com o ambiente em que se encontra (até pelos monstros que ameaçam sua vida). Ao terminar de assistir, provavelmente boa parte da audiência se sinta como ela, afinal o longa desperta sentimentos diversos. Dúvida, angústia, tristeza ou raiva, aposto que terminará a sessão com alguma dessas sensações.


Respondendo com mais perguntas.


Ao chegar e  sua última parte é que o filme realmente desafia sua audiência. Ouso dizer que os 20 minutos finais foram os mais confusos e bonitos que vi nos últimos anos. E digo isso de forma positiva, pois ao dar respostas o roteiro de Garland também faz gerar mais dúvidas. E em seu último segundo de projeção a produção dá espaço para diversas interpretações e análises.

Quando terminei de assistir fui em grupos de facebook ver o que o pessoal estava achando do filme. Li diversos comentários e interpretações que se diferenciam bastante uns dos outros. Essa é a beleza de obras do tipo, elas nos fazem debater, questionar e repensar em todos os detalhes que vimos e aqueles que passaram despercebidos enquanto assistíamos. 'Aniquilação' é um filme que consegue nos prender em sua profundidade e beleza, talvez ele não seja o melhor filme datado em 2018 até agora. Mas certamente já entra no hall dos mais memoráveis.

Como disse anteriormente, esse longa não vai satisfazer uma grande parte do público que o assistir. É um filme tenso, profundo e visualmente deslumbrante. Não é perfeito, mas ao mesmo tempo que impressiona, também nos faz pensar em tudo o que representa. 'Aniquilação' é sobre a vida, sobre nossos problemas e como lidamos com eles, e principalmente sobre mudanças e as formas de aceitá-las.

Afinal, a mudança está intrínseca na vida humana. Pois, ao nos recusarmos a mudar, não teremos outro destino a não ser a auto-destruição. Em outras palavras: Nossa própria aniquilação.

O filme é baseado no primeiro livro da trilogia Comando Sul, ainda não temos confirmação se terá sequência. Talvez estar sendo distribuído internacionalmente pela Netflix ajude a ganhar força. Porque nos EUA o sucesso não foi grande a ponto de fazer o estúdio já confirmar próximos filmes.