A Vida é Bela e o filme também!  


O filme A Vida é Bela, mostra a difícil tarefa de um pai que basicamente fará seu filho não enxergue a maldade vivida ao seu redor durante o holocausto na segunda guerra mundial (1939- 1945).


Basicamente o filme é divido em duas partes: Vida simples e alegre no começo do filme e ao decorrer mostra o lado dos campos de concentração.


Em Toscana, Itália, (Roberto Benigni) interpreta Guido, um judeu simpático e criativo que recentemente chega a cidade. Novo na cidade de Toscana, Guido conhece a professora Dora (Nicoletta Braschi) e por ela se apaixona, porém, Dora, está prestes a se casar com funcionário da cidade. Por ser bastante obstinado e criativo, Guido não mede esforços para ficar próximo à Dora e tentar conquistá-la. Posteriormente Guido, acaba conquistando o coração de Dora, e um filho nasce desta relação, o pequeno Giosuè (Giorgio Cantarini).



Pra se emocionar do começo ao fim


Ao decorrer da trama percebemos que muitos judeus não têm permissão de entrar em alguns comércios da cidade, os direitos e acessos aos judeus são limitados e progressivos. Guido é dono de uma pequena livraria, e até certo momento vive uma vida tranquila e alegre com sua família. Certo dia militares adentram em sua loja e acabam levando Guido e seu filho Giosuè para um campo de concentração nazista.


Guido, não quer que seu filho perceba o inferno que ocorre no naquele campo de concentração, sendo assim inventa uma espécie de jogo, uma fantasia da qual Giosuè acredita estar passando. As regras eram claras: O Primeiro a fazer mil pontos ganharia um tanque de guerra e sairia como vencedor daquele jogo.


Prontamente, seu filho acreditou em seu pai e de forma muitas vezes não tão disciplinar, obedecia às "regras" impostas daquele fantasioso jogo. Enquanto seu pai era obrigado a trabalhar para os nazistas, Giosuè tinha como " tarefa" se esconder e assegurar uma possível pontuação, mas na verdade a ideia de seu pai era que Giosuè não fosse notado por nenhum guarda do campo de concentração, pois todas as crianças judias que ali estavam foram mortas de forma brutal.


Posso assegurar que até o final do filme o principal propósito de Guido, que era esconder o terror à Giosué, foi totalmente bem-sucedido.


A Vida é Bela, ganhou três prêmios Oscar e não à toa: Melhor filme estrangeiro, melhor ator protagonista e melhor trilha sonora.


-

[caption id="attachment_2043" align="alignleft" width="204"] Cartaz oficial do filme[/caption]

(La Vita è Bella) – Itália, 1997


Direção: Roberto Benigni
Roteiro: Roberto Benigni, Vincenzo Cerami
Elenco: Roberto Benigni, Nicoletta Braschi, Giorgio Cantarini, Giustino Durano, Sergio Bini Bustric, Marisa Paredes