Os novos jeitos de consumir conteúdo audiovisual.


A Netflix popularizou um jeito único de assistir séries, as famosas maratonas. É claro que isso sempre existiu, porém só era possível quando você tinha os DVDs da série pretendida. Hoje, o que temos são pessoas que terminam a temporada no dia de lançamento. Os canais de YouTube e sites lançam crítica da série poucos dias depois do lançamento. E com a produção em massa desses produtos, além de já serem liberados via streaming, fica cada vez mais difícil acompanhar e estar ligado nos lançamentos.



Os poderes do Streaming



A Netflix é sem sombra de dúvidas o maior serviço de streaming no momento. E há alguns anos vem acontecendo um fenômeno bem interessante na plataforma. Talvez por causa da facilidade de ser acessada, ela alavanca séries que não têm tanta audiência. Um grande exemplo disso é a obra-prima ‘Breaking bad’, série que não tinha grandes índices de audiência e que quando entrou no catálogo da gigante do streaming o sucesso à abraçou.


Outro exemplo que podemos usar é a série Riverdale. Lá nos EUA ela é exibida pelo canal The CW, e sua primeira temporada conta com apenas 13 episódios. Porém, a série não tinha uma audiência tão grande. Mas, no verão americano (que também é época de férias escolares), a produção entrou na Netflix, e advinha? O sucesso foi enorme. Tanto que o canal esticou a segunda temporada para 23 episódios e hoje é um dos maiores sucessos teen nos EUA.


Existem também as séries que passaram completamente desapercebidas pelo grande público. Como exemplo temos as recentes ‘The end of the fu***** world’ e ‘La casa de papel’. Elas estrearam sem fazer muito barulho e quando entrou no catálogo da Netflix (aqui no Brasil pelo menos) o público às agarrou e estão tomando conta das redes sociais. E é justamente esse segundo exemplo que me faz ter um outro pensamento sobre a facilidade de consumir esse tipo de produto.



Espalhando produtos cada vez mais diversos.



Tudo começou quando assisti a espetacular ‘Dark’, o sentimento que tive sobre a série foi de curiosidade. O primeiro episódio não me prendeu, mas adorei ver essa nova abordagem de sci-fi, então eu pensei: “Será que essa série teria essa popularidade se não tivesse na Netflix? Ou melhor, será que eu estaria assistindo?”. Ou seja, a Netflix além de estar nos trazendo conteúdo diversificado a todo momento, também está popularizando outras culturas. Um exemplo disso é a visibilidade internacional que a brasileira ‘3%’ alcançou. Será que se tivesse sido produzida pela Globo ela teria tanto alcance?


‘Dark’, ‘La casa de papel’, ‘Glacé’, ‘La mante’, ‘Erased’, ‘Merlí’, e muitos outros. Os filmes também são agraciados com essa poder que a Netflix tem de produzir e distribuir em muitos países. Afinal, para quem é Seriador há algum tempo, sabe muito bem a dificuldade de ter acesso à legenda e informações sobre produtos alemães, espanhóis, franceses etc. Muitos podem ter ressalvas quanto a qualidade dessas produções. Aliás, a cada dia que passa tem mais produções bem mal escritas ou produzidas. Mas até essas tem seu público.


Agora temos diversos serviços de streaming ganhando cada vez mais espaço no mercado. Então podemos prever que essa democratização de produções audiovisuais só tende a crescer, e quanto mais isso acontece, mais nós, consumidores, ganhamos. Sim, existe muita coisa ruim, mas sempre existiu, e sempre vai existir. A diferença é que agora temos mais percepção disso por que temos um catálogo enorme na nossa frente nos mostrando. O que não podemos esquecer é que sempre vai ter coisa boa, e mesmo com essa discrepância de qualidade dos produtos, sempre também haverá público para todos eles.


Se você é um entusiasta a produções On Demand, aqui no Pipocando Notícias toda semana tem dicas do que estreia no cenário streaming. Na coluna Cinéfilos de Sofá, você acompanha as novidades semanais das plataformas VOD. Filmes que não são muito populares em circuito nacional podem ser acompanhados por você no abraço do seu sofá. Confira!