Vamos falar sobre política?


Acho importante falarmos sobre política, ainda mais nos dias de hoje, não é? Porém, eu, geralmente não gosto de séries que tenham essa temática. Mas, Designated Survivor foge dos estereótipos e foi como um soco na minha cara logo no começo do primeiro episódio, quando praticamente todo o poder dos EUA se explodem, isso mesmo CABUM!

E isso não é spoiler, ok?


Tom Kirkman, um homem com cara de coxinha, que era  responsável por achar moradia para as pessoas, vira o presidente. ISSO MESMO, ele é o sobrevivente designado daquela noite [que é uma pessoa reserva caso tudo dê errado, e deu!]. Vale ressaltar que na manhã do atentado ele havia sido demitido pelo presidente, muito coxinha [me refiro assim dele com amor, viu? Guardo no potinho o personagem].  Foi isso que chamou a minha atenção e me fez passar a madrugada e o dia inteiro assistindo a primeira temporada.

A primeira impressão não é a que fica!


Num primeiro momento a imagem do personagem não é das melhores... Ele bem que poderia ser um vendedor de casas mesmos, e ao ver suas primeiras horas como presidente eu só conseguia me perguntar qual seria a sacada da série. O personagem teria que ter uma bela evolução, não fui muito longe para descobrir. Por baixo dos óculos e da cara de vendedor de apartamentos medianos se esconde uma mente sagaz, que blefa e, que acima de tudo, é integro.

E ele não perde a sua essência ao longo da temporada, eu assisti torcendo para ver ele se perdendo, se afundando na lama, afinal política é isso, não é? Lama. Mas não para esse herói que poderia ser um bibliotecário pela sua aparência.  A série tem belas reviravoltas, mostrando que o inimigo nem sempre está tão longe.

Então, amiguinhos, se algum dia vocês ficarem em dúvida se devem assistir esta série a resposta é: GO, GO, GO, GO.