“Adeus, Geral” - É dedicado a todas as pessoas esquecidas pelo novo futebol brasileiro.


O documentário teve seu início a partir de um trabalho escolar de geografia, o tema era muros sociais. As questões sociais têm tudo a ver com o futebol, que, para mim, é uma representação fiel da nossa realidade. Buscando explorar a elitização do futebol brasileiro, nos recobramos historicamente, ao início quando o futebol veio para o Brasil.


A bola trazida por Charles Muller era direcionada apenas às classes mais nobres. Com o passar do tempo isso foi se esvaindo, o futebol subiu morros, conquistou lugares mais afastados e se tornou uma grande paixão nacional. Nas arquibancadas ricos e pobres se juntavam para torcer e incentivar os seus times de coração. Tamanha proporção o esporte acabou virando um produto.



Arenas de futebol sem alma e coração.


O grande ponto que o documentário explora é a extinção das chamadas gerais que existiam nos estádios. Um setor onde os ingressos eram mais baratos e estavam sempre cheios. Aproximava a camada mais humilde de um raro lazer e alegria. Não tinha conforto, mas tinha alma e coração, isso se refletia dentro de campo. Dentre as mais conhecidas tínhamos a “finada” geral do Maracanã.


O documentário retrata e critica muito bem essa questão, as classes mais baixas da nossa sociedade vem perdendo seu espaço por conta dos valores exorbitantes dos ingressos; o futebol e uma triste modernização; as arenas que ganharam mais força após a Copa do Mundo de 2014 acabaram elitizando o esporte mais popular do nosso país.


"Adeus, Geral" conta com a participação de jornalistas como Juca Kfouri, Paulo Nobre [ex-presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras] e de figuras importantes das mais variadas torcidas organizadas paulistas. Ele foi lançado em junho de 2016 e é dirigido por Gustavo Altman, Martina Alzugaray, Matheus Bosco, Pedro Arakaki e Pedro Junqueira.


Você que é apaixonado pelo futebol raiz e ainda não assistiu, não pode perder.

https://www.youtube.com/watch?v=9dzo-pgoKLw