O mestre Spielberg está de volta em uma viagem nostálgica, e ao mesmo tempo futurista para o público


Baseado no livro de mesmo nome, Jogador Nº1 (escrito por Ernest Cline), concede ao diretor Steven Spielberg, a chance de brilhar novamente trazendo um novo clássico para nova geração. A visão única e fantasiosa do diretor, nós trás a uma imersão de um filme recheado de referências das décadas passadas.

[caption id="attachment_3024" align="alignleft" width="316"] Conceito das Casas do filme em 2044[/caption]

Em um futuro caótico, no ano de 2044, grande parte da população mora em trailers empilhados como se fossem prédios, e deixando claro a época pobre que as pessoas estão passando. Porém também existe o "OASIS", uma realidade virtual em que as pessoas podem ser e/ou fazerem várias coisas, depende da imaginação e de quanto dinheiro conseguirem para viver as mais diversas experiencias. Bastando apenas colocar um óculos de realidade virtual e sair pelo "OASIS", controlando o avatar escolhido. Basicamente um jogo onde as pessoas se reúnem para viver novas experiencias, até por que o visual muda totalmente do mundo real para o virtual.

 

[caption id="attachment_3027" align="alignright" width="300"] Wade Watts(Tye Sheridan), colocando seus óculos de realidade virtual para entrar no OASIS[/caption]


Wade Watts (Tye Sheridan, de “X-Men: Apocalipse”), é um jovem que busca conquistar a caça ao tesouro promovida pelo falecido criador do OASIS. James Halliday (Mark Rylance, de “Jogo de Espiões”) deixou 3 chaves no jogo virtual para serem encontradas e assim disponibilizar um Easter Egg(um segredo dentro do OASIS) ao vencedor. Que pegar o "Egg" se torna o dono do OASIS e consequentemente Multibilionário. Paralelo a isso, segunda maior empresa do mundo(IOI), também deseja ter o controle do ambiente/jogo OASIS. Liderados pelo intimidador homem de negócios Sorrento (Ben Mendelsohn, de “Rogue One: Uma História Star Wars”), ele recruta vários jovens para jogar os desafios e conquistar as chaves necessárias, para obter o controle total do OASIS.

Referencias vistas em Jogador Nº1


[caption id="attachment_3031" align="alignright" width="300"] Gigante de Ferro, tem importância na trama de Jogador Nº1[/caption]

São MUITAS, mas muitas mesmo, destacando-se algumas delas:

  • O carro "DeLorean" dá serie de filmes "De Volta para o Futuro;

  • O personagem Gigante de Ferro;

  • Arlequina e Batman e referencias ao Superman da DC comics;

  • O vídeo game clássico Atari 2600 e seus jogos como Adventure, Asteroides e Pitfall;

  • Godzilla, Hulk, Robocop,

  • Sonic, Stormtroopers(de Star Wars);

  • a Moto de Kaneda do anime/Mangá AKIRA,

  • Chun Li do jogo Street Fighter

  • Tracy do Jogo Overwatch


 

[caption id="attachment_3034" align="alignleft" width="300"] É muita referencia mesmo capitão.[/caption]

Dentre centenas de outras aparições, quanto mais bagagem de cultura pop o telespectador tiver, melhor. São elementos que trazem nostalgia, mas a parte boa é que além dessas aparições todas, o filme não depende das referencias para sobreviver. A ruim, é que nós diálogos eles fazer questão de explicar da onde aquela referencia é, isso pode cansar um pouco algumas pessoas.

Alan Silvestri substituiu o parceiro de longa data de Spielberg, o compositor John Willians. Willians escolheu se dedicar a outra trilha sonora (The Post, também de Spielberg). Tanto que percebemos de cara que o música tema tem dedo total de Williams e as outras composições tem outra identidade, mas mantendo uma melódia de otimismo e heroísmo nos momentos certos. Claro que Willians poderia ter dado um tom mais marcante, mas Alan Silvestri não decepcionou e para o filme, a trilha sonora é impecável. Ouça a trilha sonora de Alan Silvestri e outros clássicos dos anos 80 incluídos no filme clicando aqui.

Vale a pena?


Jogador Nº1 maravilhoso em vários aspectos, as atuações estão ótimas. O Protagonista Tye Sheridan (Wade), mesmo que apresente um personagem sem emoção na sua interpretação, condiz com a realidade apresentada. O protagonista sempre tem cara de cabisbaixo mas no OASIS, tem uma alto confiança e muda sua personalidade. Ficando mais motivado do que o normal por exemplo, por ser um mundo melhor do que a realidade. Ben Mendelsohn (Sorrento), segue a mesma linha de seu personagem em Rogue One, tem a pose de um vilão mas não está pronto para ser um. Porém as consequências decisão , aumentam seu nível de vilania no decorrer do filme, para atingir seu objetivo de um jeito ou de outro.

[caption id="attachment_3033" align="alignleft" width="300"] Visual dos Avatares dentro um dos milhares de ambientes do OASIS[/caption]

Spielberg abraçou a tecnologia atual, o mundo real é mostrado de uma forma suja, com cores lavadas sendo exibidas. Já o OASIS é muito mais colorido, até por ser feito em computação gráfica. As cenas de corrida no inicio do filme são de uma grandeza sem tamanho e valem muito a pena. Uma sequencia de terror (muito boa que não merece o spoiler) antes do climax. Até nas sequencias de romance ou de amizade entre os personagens, você sente aquela pitada de anos 80 nas cenas. A única falha, é a falta exploração do mundo real e como ele ficou catastrófico e decadente. Fazendo as pessoas sobreviverem apenas para poderem estar no OASIS. Ou ainda se o próprio OASIS causou a decadência da sociedade.

Futuro


Ainda estamos em Abril, mas temos claramente um dos melhores filmes do ano de 2018. Jogador Nº1 pode seja indicado ao Oscar de 2019 por efeitos visuais e até a melhor filme de animação. Boa parte do filme é em computação gráfica e pode ser que tenha mais chances de levar a estatueta.

Veja o trailer dublado abaixo:

[embed]https://www.youtube.com/watch?v=_BHmun-2sq0[/embed]

E você já viu o filme? Deixe seu comentário.

Para mais conteúdos do Pipocando noticias clique aqui