Amar é clichê, e daí?


Demorei um pouco para escrever sobre esse filme e vou começar do jeito mais clichê possível: eu adorei! Como uma construção de pequenos contos, Rafael Primot ressalta as dificuldades de se viver no universo afetivo. O filme traz três historinhas cômicas e trágicas. Sem muito spoiler, vemos as tentativas frustradas de aproximação da madrasta (Maria Luísa Mendonça) com a enteada grávida (Amanda Mirásci); uma prostituta performática (Marjorie Estiano) que sonha em ser mãe e seu "cliente" que sofre com a separação da mulher; e um entregador (Rafael Primot) que se apaixona por uma garçonete comprometida (Débora Falabella) e que faz de tudo para conquistá-la.

[embed]https://youtu.be/pPBTgp3JRoU[/embed]

O interessante de toda trama é que essas situações [bizarras e verdadeiras] tem como conflito o simples dizer 'eu te amo'.  Tal frase caiu no clichê e, por isso, as pessoas criam um casca em suas relações afetivas. Isso não é exclusividade do romantismo. Não para Rafael, que fez um brincadeira com as limitações físicas para representar as deficiências de se abrir para o amor. Destaque para o monólogo em libras interpretado brilhantemente por Débora Falabella.



Com um ar novelesco, de um filme de amor louco num sábado a noite ou de um livro de romance confortável, Todo Clichê do Amor  tem amor e tem humor que não se saturam. O filme que fala sobre o rompimento das barreiras afetivas, também rompe o rótulo de ser uma comédia romântica caricata. De produção totalmente independente, o cinema nacional vibra. E nós, aspirantes a produtores, enxergamos um novo caminho para fomentar nossa arte.

Mulheres ganham a cena!


Com um elenco sensacional, Todo Clichê do Amor traz protagonismo feminino. Débora Falabella, Maria Luísa Mendonça, Marjorie Estiano, Amanda Mirásci e Gilda Nomacci [divertidíssima, ícone] entregam ótimas interpretações. Escrito, dirigido e atuado por Rafael Primot, o filme passa longe de ser machista.

Nós, mulheres, temos total consciência do nosso espaço de fala, mas fica nítida a preocupação do diretor em quebrar esses estereótipos de figuras da ficção e, mais do que isso, humanizá-las. As atrizes dão vida a essas figuras e dão um toque especial à trama. Concordo totalmente com Rafael quando ele diz que esse filme só é o que é graças a elas.

 



O filme já está em cartaz. Mas calma, se você não achou o filme em algum cinema próximo, relaxe. Ele também terá distribuição digital pelo Canal Brasil. Assim que sair avisaremos aqui no site, ok?

-

Todo Clichê do Amor

Sinopse: TODO CLICHÊ DO AMOR conta a história de uma stripper passional que decide se tornar mãe; de um entregador que comete um assassinato como prova de amor a uma garçonete comprometida e mostra a última chance que uma madrasta tem para conquistar o afeto de sua enteada no velório de seu esposo. Um entrechoque de carências e erros desses outsiders que emerge novas e inesperadas formas de afeto.

Roteiro e Direção: Rafael Primot
Produção: Daniel Gaggini
Elenco: Maria Luisa Mendonça, Débora Falabella, Marjorie Estiano, Rafael Primot, Gilda Nomacce , Eucir de Souza, Clarissa Kiste, Amanda Mirásci, João Baldasserini, Giovana Zotti, Thamiris Dias, Letícia Bassit, Júlio Silvério e Otávio Pacheco.
Direção de Fotografia: Kauê Zilli
Direção de Arte: Carolina Bertier
Montagem: Helena Maura
Musica Original: Marcelo Pellegrini
Figurino e Visagismo: Dudu Bertholini 
Maquiagem e Caracterização: Simone Batata
Som direto: Fernando Russo e Ragnar Ribas.
Gênero: Romance
Duração: 83 minutos
Ano de Produção: 2017
Produtoras: Enkapothado Filmes e MUK
Coprodução: Canal Brasil, Zumbi Post e Input Arte Sonora
Distribuição: Enkaphothado Filmes e MUK
Classificação: a definir