'Extinção' é o típico caso do filme que tinha tudo pra dar certo, mas não chega a lugar nenhum.




Parece que a Netflix está investindo bastante em produções pós-apocalípticas. 'The Rain' foi sua aposta nas séries, 'Próxima parada: Apocalipse' nos filmes, e uma semana depois chegou mais um longa com essa temática: 'Extinção'. Só que infelizmente todas essas três produções tem uma coisa em comum: Boas ideias mal executadas. Esse último lançamento é o exemplo mais claro disso. O pior é que a gigante do Streaming sabe fazer trailers muito bons, e isso nos deixa muito suscetíveis a assistirmos essas produções.

Peter (Michael Peña) é um homem que vem sofrendo com alguns pesadelos que parecem reais até demais. Ele então acha que eles são na verdade presságios sobre uma invasão alienígena. Quando o ataque finalmente acontece Peter, sua esposa (Lizzy Caplan) e suas filhas fogem para o lugar que seus sonhos o mostra. Mas, talvez suas visões revelem mais do que imaginava.

'Extinção' é dirigido por Ben Young, um diretor com poucos projetos, mas que demonstra muita criatividade. A sequência da invasão é muito bem filmada e coloca o telespectador dentro da ação. Ele usa bastante planos longos e câmera na mão, existem uns 5 minutos dentro do filme que são angustiantes. Porém, mesmo quando se tem um bom profissional dirigindo, o roteiro tem que ser bom, e não temos isso aqui.

Boas ideias mal utilizadas.



O problema do filme é não saber pra onde ir conforme vai avançando na trama. O início é promissor e nos deixa ansiosos pelo que vem a seguir, mas o que vem é uma sucessão de erros. Podemos começar falando sobre nosso protagonista. Michael Peña (de 'Homem-Formiga') é ótimo na comédia, mas em 'Extinção' ele não convence como um herói e nem nas partes que exigem uma demonstração maior de emoção. O destaque mesmo fica pra Lizzy Caplan (de 'Truque de mestre: o 2º ato') que mesmo tendo pouco espaço em tela, consegue convencer pelo carisma. Mike Colter (de 'Luke Cage') é extremamente mal utilizado e tem umas duas cenas "importantes" no filme.


Porém, o que faz nos importarmos com os personagens é a relação do casal com suas filhas. A trama do pai distante que enfrenta seus problemas se afastando do ambiente doméstico já é conhecida. Porém, em 'Extinção' ela é bem dosada e tem bons momentos. Não se torna algo irrelevante, mas também não tem aquele drama forçado. Aliás, a relação entre os personagens além de ser o maior acerto do filme, também funciona como um ótimo elemento motivacional para suas ações.

Como já dito (escrito) anteriormente, o filme é cheio de boas ideias mal executadas. Poxa, o lance de visões futurísticas se revelarem em forma de pesadelos é incrível, e até certo ponto ele é bem utilizado. O problema é quando em certo momento acontece um plot twist que muda a trama completamente. Essa reviravolta poderia inclusive ser tema de um filme a parte ou até uma série. Mas ao ser introduzido na história, tudo o que poderia ser feito de bom é descartado ao ser levado à uma conclusão corrida e com um gancho forçado.

Prende, mas não convence.




'Extinção' é o típico filme que tem um elenco conhecido, boas cenas, uma boa ideia, mas no fim é mal executado e não convence. Poderia ser um acerto Netflix, mas parece que nos longas originais ela está bem fraca. Acho melhor redirecionarmos nossas atenções para os documentários e as séries inovadoras.

O filme 'Extinção' está disponível na Netflix.