Para todos os Garotos que já amei - Crítica


'Para todos os garotos que já amei' fala sobre os dramas e inseguranças adolescentes numa história doce, divertida e apaixonante.


Não sou grande fã de comédias românticas, ainda mais quando os personagens são adolescentes. É como se quase todos os filmes seguissem uma mesma fórmula. Em sua grande maioria, esses longas estabelecem um personagem cliché, passando por algum problema genérico e tendo quase sempre a mesma superação em relação aos conflitos. Por isso, quando vi que 'Para todos os garotos que já amei' seria lançado, fiquei com um pé atrás e não criei nenhuma expectativa de que veria uma coisa boa. Ledo engano.

Eu, assim como outras pessoas, acabamos usando a palavra cliché como algo ruim. E nem sempre o uso desse artifício é ruim para o filme, na maioria das vezes ele funciona muito bem. 'Pantera Negra', por exemplo, tem uma trama simples e já conhecida, além de ter reviravoltas previsíveis. Porém, sua união com uma boa criação de mundo e personagens carismáticos fez o filme ser um sucesso absoluto, conquistando diversas pessoas. Esse também é o caso da nova comédia romântica adolescente da Netflix.

Lara Jean (Lana Condor) é uma garota divertida, ingênua e tímida. Sendo uma pessoa romântica, mas sem muita atitude, Lara escreve cartas para todos os garotos que já se apaixonou. Mas ela nunca as envia, entretanto, num certo dia essas cartas são enviadas e sua vida amorosa toma um rumo inesperado.

A vida de Lara Jean.




Com a ida de sua irmã mais velha para uma universidade em outro país, Lara vê seu único exemplo feminino se perdendo, já que sua mãe falecera quando ainda era criança. Ela tem que conviver com seu pai e sua irmã mais nova enquanto enfrenta o último ano escolar. Lara é uma garota retraída e com poucos amigos. Com o envio das cartas ela se vê em uma encruzilhada, já que dois dos atingidos são o ex-namorado de sua irmã e o outro acabou de romper com sua "inimiga" da escola.

A pressão escolar, os problemas amorosas, sua dificuldade em dirigir e seu núcleo familiar transformam a mente de Lara naquele furacão que é a cabeça de qualquer adolescente. Seu quarto bagunçado e suas inseguranças são reflexo da geração que está começando a lidar com a vida adulta. Ao se ver envolvida em um relacionamento "de mentira" afim de reverter o efeito das cartas, Lara Jean se envolve em mais uma relação que mudará não somente seu status de relacionamento, mas também sua maneira de viver.

A direção do filme fica a cargo de Susan Johnson, uma diretora e produtora que já trabalhou em obras parecidas. O mais fascinante foi ela transmitir os dramas e inseguranças de qualquer adolescente de forma sutil dentro de uma história criativa e que valoriza seus personagens. Sofia Álvarez adapta o livro homônimo fazendo críticas sociais sem parecer pedante. Elas preferem mostrar os problemas sociais ao invés de tentar evidenciá-los usando discursos já conhecidos e que não engrandeceriam a história. Foi uma escolha simples e extremamente eficaz.

Uma história gostosa de se ver.




Como já dito anteriormente, 'Todos os garotos que já amei' tem ótimos personagens. Seus coadjuvantes são carismáticos e funcionam bem, com exceção de Josh (Israel Broussard) que começa bem, mas acaba ficando meio apagado no meio dos acontecimentos. Seus alívios cômicos são um dos principais acertos do longa, eles nunca pendem para a galhofa e dão ainda mais beleza para a história.

Esteticamente o filme também é belo. Primeiro podemos falar da direção que em diversos momentos evoca um sentimento "Wen Andersoniano". Sempre usando enquadramentos e movimentos de câmera que parecem ter sido planejados milimetricamente e que tornam o filme mais delicado. Depois podemos falar sobre a fotografia que aproveita todos os cenários lindamente e usa as cores para transmitir sentimento. E por fim a direção de arte como um todo, tudo é muito bem organizado e existem uns planos ali no meio do filme que são dignos de wallpaper.

'Para todos os garotos que já amei' tem uma trama interessante e a aproveita de maneira eficiente. Mesmo tem um ou dois personagens problemáticos e uma conclusão previsível, esse é um filme que vale pela jornada de seus personagens. Até sua antagonista acaba sendo mais humanizada e coloca no longa o fato de nossas ações sempre atingirem alguém de alguma forma.

Sem usar grandes clichés e sendo eficiente ao mostrar os dramas adolescentes, 'Todos os garotos que já amei' é uma história doce, divertida e apaixonante. Sua protagonista é carismática e sua trama é bem desenvolvida. É um filme que não vai agradar apenas os amantes de comédias românticas adolescentes, mas também os que são pouco sensíveis como eu (haha). É um ótimo filme para essas tardes frias de agosto, de preferência veja acompanhado.

'Para todos os garotos que já amei' está disponível na Netflix.