Por dentro da mente serial killer é a proposta "A Casa que Jack Construiu"


Sangue, violência e/ou insanidade é quase que uma assinatura do diretor Lars Von Trier.  E não vai faltar isso nem seu oitavo filme, o mesmo que fez o público sair da sala em Cannes. Distribuído pela Califórnia Filmes o filme se passa em 1970 nos Estados Unidos. A trama é contada a partir do ponto de vista de Jack, um inteligente assassino americano, através de cinco assassinatos que definem o seu desenvolvimento como um serial killer.

Experimentamos a história pelo ponto de vista de Jack, que visualiza cada assassinato como uma obra de arte, mesmo que sua disfunção lhe cause contratempos no mundo exterior. Apesar da inevitável intervenção policial se aproximar (provocando uma enorme pressão em Jack), ele está - ao contrário de qualquer lógica - certo em ter mais chances.

Jack vê cada assassinato como uma obra de arte, mesmo que isso possa lhe dar problemas no mundo externo. Embora saiba que a polícia está cada vez mais perto e que sua condenação está mais próxima, ele está determinado a ir mais e mais longe, ao contrário de toda a lógica.  “Por muitos anos, eu fiz filmes sobre boas mulheres, agora fiz um sobre um homem mau”, revela Lars von Trier.

 

[caption id="attachment_4061" align="aligncenter" width="786"] Fonte: Divulgação.[/caption]

Ao longo da história, conhecemos as descrições de Jack sobre sua condição pessoal, problemas e pensamentos a partir de uma conversa recorrente com o desconhecido Verge (Bruno Ganz) - uma mistura grotesca de sofisticação com uma auto piedade quase infantil e explicações profundas que, para Jack, são manobras perigosas e difíceis.

Para os principais personagens de A CASA QUE JACK CONSTRUIU, Lars von Trier juntou um impressionante elenco internacional. Matt Dillon é a estrela no papel principal, como o serial killer Jack. Uma Thurman, Siobhan Fallon Hogan, Sofie Gråbøl e Riley Keough estão entre as mulheres que lamentavelmente encontram Jack em seu caminho.

Thurman, Hogan e Gråbøl já trabalharam com Lars von Trier, enquanto este é o primeiro trabalho de Riley Keough com von Trier. Thurman interpretou a proeminente Sra. H em Ninfomaníaca, Fallon Hogan esteve no aclamado e premiado Dançando no Escuro e Dogville e finalmente, Gråbøl apareceu em O Grande Chefe.

O filme tem previsão de estreia no Brasil no dia 1º de novembro. Além desse, a Califórnia Filmes irá distribuir mais dois filmes que estrearam em competição oficial do Festival de Cannes – COLD WAR de Pawel Pawlikowski e GIRLS OF THE SUN de Eva Husson.

 

[embed]https://vimeo.com/269485725[/embed]

-


A CASA QUE JACK CONSTRUIU

Um dia, durante um encontro fortuito na estrada, o arquiteto Jack (Matt Dillon) mata uma mulher. Este evento provoca um prazer inesperado no personagem, que passa a assassinar dezenas de pessoas ao longo de doze anos. Devido ao descaso das autoridades e à indiferença dos habitantes locais, o criminoso não encontra dificuldade em planejar seus crimes, executá-los ao olhar de todos e guardar os cadáveres num grande frigorífico. Tempos mais tarde, ele compartilha os seus casos mais marcantes com o sábio Virgílio (Bruno Ganz) numa jornada rumo ao inferno.

Direção: Lars von Trier
Roteiro: Jenle Hallund (história), Lars von Trier
Elenco: Matt Dillon, Bruno Ganz, Uma Thurman
Ano: 2018
Gênero: Terror
País: Dinamarca, França, Alemanha e Suécia