Um dos principais lançamentos do cinema dinamarquês do último ano, “Zona de Confronto” (“Shorta”), exibido no Festival Internacional de Cinema de Veneza 2020, acompanha as consequências da prisão de um jovem árabe, lançado nas plataformas digitais no dia 27 de agosto, com distribuição da Synapse Distribution.

Zona de Confronto traz dois policiais com pensamentos completamente diferentes quando se trata em punir uma pessoa, sendo ela inocente ou não. E com isso nos levanta um questionamento: até onde vai a sua honestidade?

Rogai Por Nós - Mesmo com falhas, terror funciona e garante bons sustos


Hoyer (Simon Sears) precisa lidar com os conflitos internos em sua mente até que chegue o dia de sua audiência, onde terá que depor contra ou a favor dos seus colegas de trabalho que espancaram um homem negro e são julgados por abuso de autoridade.

Situação essa que gerou revolta no bairro criando um grande conflito entre os negros e árabes do local contra os policiais. E como se não bastasse, tem a ordem de seu chefe para fazer ronda com Mike (Jacob Lohmann), conhecido por ser o "esquentadinho" da turma.



Durante a ronda, em um de seus momentos de abuso de autoridade Mike acaba prendendo o jovem Amos (Terek Zayat), criando mais revolta aos moradores que assistem o fato. E assim o filme começa a se desenvolver, Hoyer e Mike após um ataque, ficam presos no bairro e precisam achar uma rota de fuga para saírem vivos, precisando até mesmo da ajuda de Amos.

Entre todas as situações, os policiais entram em conflitos ao perceberem que as suas visões são diferentes para cuidar das situações que podem passar como policiais, e dentre os fatos apresentados, me fez levantar o seguinte questionamento: até onde vai a honestidade? Até que ponto vai o caráter?

Mesmo com um desenvolvimento lento, Zona de Confronto se torna interessante por abordar um tema presente na realidade de vários países.


Quantas vidas são tiradas injustamente e são esquecidas???