Após a divulgação de seu lançamento, Maligno era um dos filmes mais esperados este ano, devido à falta de bons filmes de terror. Sim, estamos sentindo falta de filmes que nos deixam com medo e que nos façam cobrir a cabeça na hora de dormir (o que pra mim não precisa de muito rs).

Sempre gostei dos trabalhos do James Wan (Jogos Mortais, Invocação do Mal, Annabelle), mas Maligno é uma produção que não entrará na minha lista de favoritos. Talvez o problema ainda seja criar muitas expectativas ao ver um trailer (um defeito comum entre nós, cinéfilos!).

Com mensagem antirracista 'A lenda de Candyman' satisfaz com ótimo suspense


Começo que prende ...

Madison (Annabelle Wallis) luta diariamente para manter a sua gravidez saudável e não perder a sua filha. Além do cansaço físico do trabalho e emocional dos traumas que carrega, ela tem que lidar com seu marido Derek (Jake Abel) que tem problemas com bebidas e é agressivo.

Com a esperança de que o nascimento de sua filha melhore o seu relacionamento, Madison tem seu sonho destruído. Após sua casa ser invadida durante uma noite e ela parar no hospital, sua vida vira de ponta-cabeça ao perceber que criou uma conexão com o invasor, passando a ter visões dos seus próximos ataques.



Os acontecimentos logo ao início do filme nos prendem e abrem uma 'esperança' para bons sustos, mas não é o que acontece.


Ok, mas e o terror?

Após a invasão na casa, pensei: "eita, o negócio vai ficar tenso!", mas foi só pensamento mesmo. Quando o filme vai se desenvolvendo, acompanhamos Madison entre o trauma da invasão, visões dos assassinatos e, quando menos espera, sendo a principal suspeita pelas mortes.



E, para achar o assassino, começa uma investigação das vítimas e de Madison, desde sua infância até a invasão em sua casa. Quando Maligno embarca nessa busca para prender o sanguinário que está à solta, o filme tem uma troca de gênero que sai completamente do terror (que era a expectativa) para um suspense investigativo.

E quando somos apresentados ao 'vilão' da história, ficamos igual ao meme da Nazaré, fazendo cálculos e mais cálculos para tentar entender. Baixo orçamento? Preguiça? Eles queriam algo trash mesmo?

Sim, você não terá grandes (ou o mínimo que seja) sustos durante o filme.

Zona de Confronto - Até onde vai o caráter?


Luz, câmera, ação!

Mesmo Maligno me deixando decepcionado, tem dois pontos que me agradaram bastante.

Achei sensacional a forma que eles fizeram as visões que Madison tem no decorrer do longa. A paralisia ao ver o acontecimento em tempo real, para mim ficou sensacional, lembrando muito a paralisia do sono.

E em meio a esse suspense, temos algumas cenas de ação e achei muito bem-feita a cena na delegacia (chegando ao final do filme), pois a coreografia aplicada, os ataques, os golpes, ficou bem elaborada e gostosa de assistir para quem gosta.

Em suma, Maligno não é um filme de terror que vai te deixar com medo ou tirar o seu sono. Ou seja, talvez tenhamos comprado o filme de forma errada (ou o nosso querido James que nos iludiu).

Mas, ele tem uma história muito boa e que se completa sem deixar brechas. Assista ao filme (deixando a ideia de terror de lado) e talvez você goste – e não se decepcione como eu.